Notícia

CONTROLADORIA

Controladoria Geral do Estado
Terça, 11 Dezembro 2018 13:06
Conscientização da sociedade

Controladoria-Geral do Estado promove ações em alusão ao Dia Internacional Contra a Corrupção

Data foi instituída em 2003 com a assinatura da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção

Equipe da CGE realizou panfletagem no Calçadão do Centro, em Maceió, distribuindo o material da campanha “Corrupção: O Jeito Certo É Dizer Não!” Equipe da CGE realizou panfletagem no Calçadão do Centro, em Maceió, distribuindo o material da campanha “Corrupção: O Jeito Certo É Dizer Não!” Igor Nascimento
Texto de Livia Leão

O Dia Internacional Contra a Corrupção, celebrado no dia 9 de dezembro, foi instituído em 2003, com a assinatura da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção. A data se tornou um marco no calendário alagoano e, este ano, a Controladoria-Geral do Estado (CGE) promoveu ações de conscientização com estudantes e com a sociedade civil, para alertar sobre a importância do efetivo combate, começando com a fiscalização dos atos de corrupção presentes no cotidiano.

O início das atividades alusivas ao Dia Internacional Contra a Corrupção foi marcado por um encontro com os estudantes de Ciências Contábeis da Faculdade Estácio. Na ocasião, os futuros profissionais conheceram o trabalho realizado na Controladoria.

A controladora-geral do Estado, Maria Clara Bugarim, destaca que o combate à corrupção é responsabilidade de toda a sociedade, que muitas vezes, não percebe os pequenos atos de corrupção presentes no dia a dia. “É necessário que a sociedade participe dessa luta. A educação e a difusão dos valores éticos são as melhores formas de combate à corrupção. Por isso, é de fundamental importância, apresentar aos profissionais o trabalho desenvolvido para que eles atuem como disseminadores da discussão”.

Com o intuito de envolver a sociedade nos projetos elaborados pela CGE, a equipe da Controladoria realizou, nessa sexta-feira (7), uma panfletagem no Calçadão do Centro, em Maceió, distribuindo o material da campanha “Corrupção: O Jeito Certo É Dizer Não!”.

O material foi idealizado para chamar a atenção do cidadão para os atos de corrupção que estão presentes no dia a dia, buscando despertar a prevenção e o efetivo combate.

“A campanha busca alertar sobre o famoso ‘Jeitinho Brasileiro’, que é já é mundialmente conhecido, mas representa pequenos atos de corrupção, que todos nós, como cidadãos precisamos combater”, explica a controladoria Maria Clara Bugarim.

Maria Clara explica ainda que entre os hábitos destacados estão furar fila, furtar o sinal da TV a Cabo ou da Internet, utilizar carteira de estudante falsa, estacionar em locais proibidos, entre outros práticas ilícitas que corroboram na formação do caráter equivocado.

Para a dona de casa, Maria José, a campanha serve para mostrar que o considerado normal, não é necessariamente o comportamento correto. “A corrupção começa, muitas vezes, dentro de casa. E nós precisamos estar atentos para combater no nosso dia a dia e ter o compromisso em fiscalizar a administração pública”.

 

Combate à corrupção e controle social

O controle social é a forma que a sociedade pode exercer controle sobre as ações do Estado. O trabalho da Controladoria-Geral do Estado (CGE) busca fortalecer, sempre, as ferramentas de controle social, como o Serviço de Informação ao Cidadão (SIC) e a Ouvidoria Pública, para garantir sempre a transparência pública.

“É necessário que o cidadão tenha as ferramentas para fiscalizar a administração. Além disso, é preciso que esses instrumentos facilitem a comunicação entre sociedade e Estado e proporcionem o debate sobre a participação social para que sejam desenvolvidas ações de combate e controle da corrupção”, pontua a controladora.

Alagoas lidera o ranking nacional da transparência da Escala Brasil Transparente (EBT), que avalia o grau de cumprimento de dispositivos da Lei de Acesso à Informação (LAI) nos órgãos públicos. “Temos a obrigação de dar transparência aos atos do Governo e demonstrar que o cidadão deve participar da gestão do seu patrimônio, atuando como agente fiscalizador e contribuindo com o combate à corrupção”.